Economia Local

Segurança e Saúde no Trabalho nas MPE’s

Pedro Ventura
Partilhar

A competição entre as empresas a nível nacional e internacional tem conduzido a um ambiente de procura contínua de novos mercado e da melhoria do processo produtivo. Tal levou à aposta em ferramentas de gestão que têm por objetivo aumentar a qualidade dos produtos, aumentar os lucros e melhorar relação empresa-sociedade, a fim de conquistarem uma posição de destaque na sua área de intervenção. A Segurança e Saúde no Trabalho (SST) é um desses mecanismos e, nos últimos anos, ela tornou-se decisiva para a construção da imagem de qualquer empresa, uma vez que trata da prevenção de acidentes e de doenças profissionais, bem como da proteção e promoção da saúde dos trabalhadores, melhorando as condições e o ambiente de trabalho. Além disso, SST é condição básica e fundamental para qualquer empresa que deseja atingir qualidade e produtividade, cumprindo as regras actualmente definidas pela OIT e pela própria União Europeia. A satisfação dos trabalhadores, aliada a um ambiente seguro pode originar uma melhoria dos resultados operacionais, além de melhorar a imagem da empresa no mercado gerando, inclusive, novas oportunidades de crescimento. A gestão de SST pode também proporcionar Qualidade de Vida no Trabalho oferecendo um ambiente juridicamente correto, socialmente encorajador e individualmente desafiador. Além disso, pode evocar o sentimento individual ou coletivo de querer estar naquele local, e assim encontrar o apoio necessário para o desenvolvimento individual. Porém, a gestão de SST nem sempre é praticada por todas as empresas, dentre os quais pode-se destacar as Micro e Pequenas empresas (MPE). As MPEs possuem importante papel na inclusão económica e social, destacando-se pela participação no acesso às oportunidades de emprego e no desenvolvimento económico do país. A dificuldade de implantação destas políticas é resultado, principalmente, do pouco recurso financeiro e da falta de informação dos donos das empresas. Quando há a implantação do sistema, nem sempre é possível perceber os resultados, já que o investimento em segurança não se repercute diretamente nos lucros. Assim, devido a estas características estruturais, culturais e de gestão, afirmam que algumas normas e leis referentes à SST deveriam ser adaptadas à realidade das MPEs, facilitando a utilização das mesmas pelas organizações. Esperamos que o novo governo olhe com mais cuidado para esta área, dada a importância das MPE’s no contexto económico português

Pedro Ventura
Pedro Ventura

Vereador da CMS

  • 1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *