Economia Local Especial edição

As Cestas da Mó:”Tivemos de arregaçar as mangas e abrir o peito”

Partilhar

Este projeto foi abraçado por um casal vítima da pandemia. Mas dos fracos não reza a História e a verdade é que a Mónica Ferro e o Roberto Numeriano não cruzaram braços e, depois de meses fechados em casa, pensaram: e porque não um negócio de cabazes/cestas de frutas personalizados? Nasce assim “As cestas da Mó”.

A Mónica foi coordenadora de eventos num parque de diversões durante quase 19 anos. O Roberto, fotógrafo de profissão, desenvolvia a sua atividade em vários parques de diversão e fazia reportagens fotográficas em casamentos, batizados e outros eventos. Ambos os negócios fecharam ou abrandaram.
Os pais da Mónica têm uma venda de frutas e legumes e, desde pequena, que ela acompanha o negócio. Por graça, muitas vezes foi chamada de “Filhada Fruta”.

Acrescentou a Mónica: “estávamos em plena ascensão quando a pandemia nos tirou o tapete e virou a nossa vida ao contrário, porém, baixar os braços, parece nunca ter sido o lema deste jovem casal:” tivemos de arregaçar as mangas e abrir o peito”. Mónica Ferro foi criada em Mem-Martins
pelos pais e pelas tias. Os pais tiveram um negócio de venda no mercado de Mem-Martins e o pai também fazia, dois dias por semana, a praça junto à Tendinha e Capela de Mem-Martins.

Neste período de distanciamento social, “As cestas da Mó” podem aproximar pessoas. O conceito deste projeto alia a alimentação saudável à frescura e à qualidade dos produtos. As encomendas das cestas e cabazes podem ser feitas pelos canais online que a marca tem disponíveis. A variedade de combinações é muito simpática. As cestas têm frutas e legumes e os cabazes de Natal contêm outros produtos de origem portuguesa. Todas as encomendas podem se entregues pela Cestas da Mó, e tal como sugerido no site da marca, são uma oferta ideal para este Natal. Oferta de “saúde e bem-estar, um miminho, onde quer que esteja e a quem mais ama”.

JEL31 novembro/dezembro 2021
Sónia Firmino

Diretora Jornal Economia Local (JEL)

  • 1

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *