AESintra Atividades

Primeiras certificações MADE IN SINTRA

Partilhar

No passado dia 1 de fevereiro, no Palácio Valenças, o MADE IN SINTRA certificou três das primeiras marcas/produtos, naquela que foi a cerimónia pública de lançamento do projeto. Para quem só agora ouve falar do MADE IN SINTRA, lembramos que o projeto nasceu em julho de 2021, de um protocolo assinado entre a AESintra e a autarquia, apresentado no Palácio de Queluz, e, na prática, é um incentivo à promoção de produtos locais e endógenos do concelho.

Junto dos agentes produtivos de Sintra, dos transformadores, dos empresários e dos comerciantes, a AESintra pretende mobilizar os principais agentes de todo este ecossistema para a importância de apostarem na valorização do que é nosso, criando assim, um “chapéu” de divulgação dos produtos locais da região, únicos no país e no mundo e que merecem um esforço concertado no sentido de uma melhor divulgação.

Basílio Horta, adiantou durante a cerimónia que o MADE IN SINTRA “aponta o caminho da qualidade e da inovação”, o mesmo que o autarca pretende para o município. Para o presidente da autarquia a cerimónia de certificação das três marcas/produtos “marcou um dia importante para todo o concelho que representa 4% da riqueza nacional o que nos atribui grande responsabilidade na economia do país. Assim sendo, projetos como o MADE IN SINTRA são a prova de como as entidades assumem aquela responsabilidade e trabalham em conjunto para alcançar resultados.

Os embaixadores MADE IN SINTRA

Legenda: Paulo Veríssimo, Hélder Cunha, Joaquim Viegas Simão, Olga Figueiredo, José Vicente Paulo, João Macedo, Bruno Cunha, Tiago Cordeiro e Frederico Gil

Frederico Gil, Hélder Cunha, João Macedo, Luís Represas e Marco Caneira são cinco dos vários embaixadores MADE IN SINTRA, figuras de reconhecimento nacional e internacional, ligados ao concelho ora por residência, nascimento e/ou desenvolvimento da sua atividade empresarial, que aceitaram emprestar a sua imagem pública para reforço no alcance do MADE IN SINTRA.
Hélder Cunha, winemaker, fundador da Casca Wines – Vinhos Portugueses, é o enólogo que apresentou a Gordon Ramsay as vinhas em chão de areia de Colares quando este quis conhecer o método ancestral e único de plantação. É mais um embaixador MADE IN SINTRA, selecionado para a certificação dos vinhos produzidos e engarrafados em solo sintrense.

Para este embaixador “quando fui desafiado pela AESintra para integrar a lista de pessoas apoiantes do projeto, aceitei de imediato, porque entendi o conceito como um reforço do poder do que é local. Os vinhos Colares DOC, ex líbris da região, agora certificados pelo MADE IN SINTRA vão expandir a unicidade e o caráter do sitio onde são produzidos, projetando, de igual forma, a
singularidade para outros vinhos de Sintra, também de excelente qualidade e igualmente privilegiados pelas condições climatéricas únicas e sem semelhança em qualquer noutra parte do mundo”.

Frederico Gil e João Macedo, são dois jovens desportistas com atividade empresarial desenvolvida em Sintra. O primeiro deles, tenista de palmarés internacional, aceitou ligar-se ao projeto na hora: “foi muito fácil aceitar o convite de Paulo Veríssimo, até porque tenho em curso uma parceria com o João Macedo que liga o ténis ao surf e que encaixa perfeitamente no conceito MADE
IN SINTRA. Temos todo o interesse em projetar, nacional e internacionalmente, a qualidade das empresas, dos produtos e das marcas com berço em Sintra.”
João Macedo, empresário ligado ao surf, defende que o concelho “deve ambicionar a internacionalização. Temos espaços, infraestruturas, empresários e gente com capacidade para integrar o ecossistema que o MADE IN SINTRA está a juntar. As empresas hoje certificadas têm agora uma plataforma para se darem a conhecer e que vai catapultar outros projetos.”

Luís Represas, músico sobejamente conhecido, sintrense “adotado”, entende que o “MADE IN SINTRA é fundamental para a projeção do concelho e no futuro vai gerar emprego, fator essencial
para as pessoas se estabelecerem”. O embaixador diz ter ”imigrado” para o concelho onde reside desde 1998 e “fará tudo o que puder fazer para dar visibilidade a este projeto”.

Os primeiros produtos/marcas certificados pelo MADE IN SINTRA

A Azulcer, empresa fundada em 2016 e sediada em Almargem do Bispo, produz azulejos portugueses de grande qualidade para todo o mundo. O principal objetivo da Azulcer é disponibilizar peças cerâmicas em todas as cores e formatos. A empresa segue a tradição da cerâmica portuguesa e as técnicas que passaram de geração em geração e ambiciona “espalhar a nossa cultura de azulejos pelo mundo”. Tiago Cordeiro, diretor-geral da empresa, recebeu pelas mãos dos embaixadores Marco Caneira e João Macedo a certificação MADE IN SINTRA.

A Casa da Piriquita dispensa qualquer apresentação, os seus travesseiros e queijadas são, por si só, imagem de marca do concelho e era inevitável que estivessem representados neste pontapé de saída do MADE SINTRA. Bruno Cunha representa a 6ª geração da Casa da Piriquita que já conta com 160 anos de existência. Este jovem empresário – a quem Hélder Cunha, outro dos embaixadores MADE IN SINTRA, entregou o certificado – confessou-se muito honrado e até sensibilizado com a cerimónia de certificação.

Para Bruno Cunha o momento significa o reconhecimento do trabalho de muitas gerações de uma das casas mais antigas do concelho que tanto impulsiona o comércio local. O empresário recordou a sua pentavó, como tendo sido a impulsionadora da marca, no começo uma simples padaria que depressa chamou o interesse da realeza, mas foi “a minha bisavó Constança, mulher de grande fibra, que recreou os nossos travesseiros que hoje atravessam fronteiras”.

A Adega Regional de Colares com os seus vinhos de Denominação de Origem Controlada (DOC), únicos no mundo, foram selecionados para a certificação atribuída durante a cerimónia. O estatuto único destes vinhos, à semelhança dos travesseiros e queijadas da Piriquita, integram a lista premium das certificações MADE IN SINTRA. Luís Represas e Frederico Gil, foram os embaixadores escolhidos para o momento simbólico de entrega do certificado.

José Vicente Paulo, presidente da Adega Regional de Colares referiu ao JEL que: “é um passo muitíssimo
importante para a afirmação/divulgação da qualidade dos produtos de Sintra. Aliás, já o tinha tentado fazer em relação aos produtos agrícolas, na Cooperativa Agrícola de Sintra. A qualidade, ou a diferença, devem ser aproveitadas para elevar os produtos do concelho que, normalmente, tem produtos de produção reduzida mas de elevada qualidade e se os reunirmos todos, ligados por um selo, poderemos certamente levá-los bem mais longe, num sistema de entreajuda mútua.

Legenda: Embaixadores MADE IN SINTRA, com o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *