Empresas/Negócios País

49% das PMEs portuguesas tiveram de aceitar prazos de pagamento superiores aos desejados

Partilhar

De acordo com o Estudo de Gestão do Risco de Crédito em Portugal, promovido pela Crédito y Caución e pela Iberinform, 79% do tecido industrial português tem que aceitar prazos de pagamento superiores aos desejados para poderem manter as suas carteiras de clientes. Daquela percentagem o mesmo estudo revela pior comportamento nas PME em relação às grandes empresas:  39% das grandes empresas tiveram de aceitar prazos de pagamento superiores aos desejados face a 49% no segmento das PME empresas. Este comportamento está relacionado com o aumento dos problemas de liquidez do tecido empresarial.

Outros números apurados pelo estudo:

  • 14% das empresas que têm relações comerciais com a administração pública têm que aceitar uma extensão dos prazos de pagamento
  • A capacidade dos profissionais liberais para impor prazos de pagamento situa-se nos 23%;
  • 33% das empresas portuguesas esperava ter que suportar esses prazos de pagamento por causa de problemas de liquidez;
  • 18% do tecido empresarial prevê trabalhar com prazos superiores a 90 dias, o que representa um agravamento dos prazos nos seus créditos comerciais;
  • Apenas 41% das empresas opera com os prazos inferiores a 60 dias previstos no Decreto-Lei n.º 62/2013 de transposição da Diretiva Europeia de medidas de luta contra os atrasos de pagamento nas transações comerciais.

Os atrasos nos pagamentos devem-se essencialmente:

  • À falta de disponibilidade de fundos (77%)
  • Ao atraso intencional dos clientes (45%)
  • À complexidade dos procedimentos de pagamento (12%),
  • À emissão de faturas incorretas (5%)
  • Às disputas quanto à qualidade dos bens e serviços fornecidos (1%)
(Fonte da notícia ECO: Esmagadora maioria das empresas tem que aceitar prazos de pagamento para manter carteira de clientes

Mais sobre a Credito Y Caucion

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *